COMO SABER A FACE DA LUA NO MAPA

COMO SABER A FACE DA LUA NO MAPA

1) Tome o Sol como ponteiro. Se a Lua estiver no MESMO signo do Sol, a Lua é NOVA.

2) Se a Lua estiver no segundo ou terceiro signo a partir do Sol, a Lua é NOVA.

3) Se a Lua estiver no quarto, quinto ou sexto signo a partir do Sol, a Lua é CRESCENTE.

4) Se a Lua estiver no sétimo, oitavo ou nono signo a partir do Sol, a Lua é CHEIA.

5) Se a Lua estiver no décimo, décimo primeiro ou décimo segundo signo a partir do Sol, a Lua é Minguante.

A ordem dos signos é esta:

Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes

Exemplo:

Sol em Áries.
Se a Lua estiver em Áries, Touro ou Gêmeos, a Lua é NOVA.
Sol em Áries.
Se a Lua estiver em Câncer, Leão ou Virgem, a Lua é CRESCENTE.
Sol em Áries.
Se a Lua estiver em Libra, Escorpião ou Sagitário, a Lua é CHEIA.
Sol em Áries.
Se a Lua estiver em Capricórnio, Aquário ou Peixes, a Lua é MINGUANTE.

*
Há uma divisão em 3: Lua Nova, Cheia e Minguante.
A Lua Nova seria da conjunção com o Sol até a Lua estar oposto ao Sol, isto é, no sétimo signo a partir do Sol.

*
Lua Nova e Crescente, a face da moça.
Lua Cheia, a da mulher madura.
Lua Minguante, a anciã.

*

#lua #facesdalua #saturnaliaescoladeastrologia

Doe um grão! http://saturnalia.com.br/doe-um-grao/

*
No mapa anexado, o mapa da Frida Kahlo. Apenas desenhei o Sol e a Lua.
O Sol está em Câncer.
A Lua anda em Touro.

Agora me diga, qual a face da Lua no dia que Frida Kahlo nasceu?

“Eu nasci com o Sol a 29 graus do Leão, então eu sou tanto Leão quanto Virgem?”

#sacsaturnália #perguntasfrequentes

“Eu nasci com o Sol a 29 graus do Leão, então eu sou tanto Leão quanto Virgem?”

Não, não é. O Sol está em Leão, no último grau, então o seu Sol é Leão.

“Eu tenho Ascendente a 29 graus de Sagitário, então, quer dizer, que eu tenho características tanto de Sagitário quanto de Capricórnio que logo ali está?”

Não, não tem. O seu signo Ascendente está a 29 graus de Sagitário, então, você tem Ascendente Sagitário, as características são de Sagitário, do grau 29 de Sagitário.

“O meu Ascendente está na cúspide entre um signo e outro, então, tenho dois Ascendente?”

Não, não tem. Para começo de conversa ´cúspide´ equivale a porta de uma casa e não de um signo. Em segundo lugar, o signo que ascende no horizonte leste é apenas um de cada vez, portanto, há apenas um signo ascendente por vez. Em terceiro, não é você que tem o signo Ascendente, mas sim ´ele´ que o tem.

Resumo da ópera: respeite os graus dos signos, cada uma das 360 partes da roda do zodíaco. Cada grau do zodíaco tem a sua natureza e destinação.

– esta é a posição da Saturnália – Escola de Astrologia

23 máximas antes de abrir um mapa

 

1) A Astrologia é uma Arte de decifração do desejo do Tempo.

2) O Céu é texto sobre o destino/manifestação de determinado tempo; quando é céu de pessoa, é texto sobre o propósito/fortuna/destino do nativo.

3) Cada um tem a sorte que necessita.

4) Mau agouro não é diagnóstico.

5) Mau agouro não é prognóstico.

6) O Céu é um sofisticado sistema de justiça.

7) O Céu tem função oracular e a função de todo e qualquer oráculo é afastar a morte e a cilada.

8) Não se trata de definir se tal configuração celeste é boa ou ruim, mas sim o seu propósito, sua fortuna, seu desejo.

9) O Céu é a nossa sorte na vida.

10) O Céu é um Duplo – você é e não é o seu mapa.

11) Mercúrio é quem fica entremundos, entre o céu e a terra, entre o céu e seu duplo – e assim possibilita a magia.

12) Tudo que nos acontece nos diz respeito – arbítrio é o que se faz com isso.

13) O Céu é texto, trama, drama, trata do destino, mas o que interessa não é o fim, mas sim o caminho.

14) O texto celeste é sobre o curso do destino e suas consequências, ser fiel à sua tradução é possibilitar ao nativo alguma chance do mesmo ser protagonista da própria história.

15) Tradução tem tradição;

16) Tudo que há na vida está contido no mapa do nativo, inclusive o astrólogo.

17) uem procura o tradutor do Destino, cruza com o destino do tradutor. O oráculo é uma espécie de encruzilhada.

18) O astrólogo está em alguma casa do mapa.

19) A trama do destino foi tramada no colo da Necessidade e a obrigação do astrólogo é reconhecer o fio principal do tecido, o fio da meada daquela narrativa.

20) Céu é um registro mnemônico.

21) A história só chega ao fim quando termina; o fim proporciona uma outra perspectiva do curso da narrativa.

22) Astrologia é uma poética do Destino.

23) Quando se estabelece diálogo/contato com o Destino, você já não é mais o mesmo e o Destino já é outra pessoa.

Via Combusta

 

A Via Combusta compreende a seguinte faixa do céu: 15 de Libra a 15 de Escorpião. Região, como diz o nome, quente, inflamável, explosiva.

Quando Paul Walker, ator de “Velozes e Furiosos”, se acidentou, morrendo carbonizado, a Lua transitava na Via Combusta.

Quando no auge das manifestações políticas no Brasil, em junho de 2013, onde as ruas foram tomadas por uma insatisfação violenta, purulenta, porém genuína, a Lua transitava a Via Combusta.

Dia 13/08/2014, quando Marte na Via Combusta ascendia no horizonte leste de Santos, o avião que levava o candidato à presidente Eduardo Campos, explodiu.

Via Combusta, a Via do Fogo – 15 de Libra a 15 de Escorpião.

3.

 

O texto astrológico versa sobre o Destino – esta potência. Antes de nascer, dentro do mundo de Plutão (a barriga da Terra), onde ficam as almas secretas sedentas para nascer, lá estivemos todos, prontos, mas inacabados, afoitos ou em paz, para voltar. Com o “lá estivemos” quero dizer a parte imortal comum a todos os seres, pedra, cor, gente, mais conhecido como alma ou anima. E assim, diante do juiz do mundo, negro e vermelho, segundo alguns portador de asas brancas gigantescas, começa o julgamento. O que se discute no tribunal é o tipo de sorte, qual mote narrativo principal a viver e também os temas secundários imprescindíveis para o desenrolar da história principal. Roteiros roteiros roteiros roteiros roteiros. Ao lado do Júpiter underground, as Moiras. Cloto, Láquesis, Átropos tecendo os fios, as teias do Destino. A vida é um fio. A vida é um fio de navalha. Depois as Moiras são vistas personificadas na Lua Nova, Cheia e Minguante. Há quem diga que Plutão é a personificação patriarcal das três Fúrias, como também são chamadas as Moiras ou Erínias. No fim da vida, em algumas culturas, encontrará estas senhoras gentis representadas na forma de carpideiras, rezando e chorando por sua passagem. Existir é ser percebido. Os fios que elas seguram, torcem e cortam provém de um mesmo novelo. Defesas feitas, padrões estabelecidos, roteiros previamente escritos, sentença dada, a alma está pronta para nascer. Antes de cair no mundo, passa-se o fio da meada por debaixo do trono da Necessidade e pronto, está pronto para esquecer tudo logo em seguida. A água do rio Estige tem este poder. Toma-se um gole da água do esquecimento para tomar o barco acompanhado do barqueiro e do deimon, gênio, espírito, testemunha do destino a cumprir. E a vida vem pelas correntezas do útero. Tudo, absolutamente tudo, é escolhido antes de nascer.  Tudo é previamente combinado: o corpo, o brilho, o pai, a mãe, os irmãos, os filhos, a fortuna, o casamento, a vocação, os inimigos e até o tempo de percurso, segundo Platão e todas as filosofias que sustentarão as astrologias e as culturas antigas. A noção de indivíduo, é claro, se perde dentro desta teia que se une a outras teias que, por sua vez, se unem a outras teias e a outras a outras a outras… Estamos enrolados numa teia familiar e, ao mesmo tempo, no destino de uma cidade. Uma biografia digna de nota está pronta para nascer quando a pessoa se joga no destino do coletivo. Aí uma pessoa em formação (tornar-se pessoa vale uma existência), procura um astrólogo. O faz na tentativa, quase sempre afoita, raramente em paz, de lembrar o que um dia, num tempo mítico, diante de Plutão e das Moiras, e de outras almas sedentas, que tipo de biografia foi tecida, bordada, costurada, amarrada. Não lembramos da história previamente escrita porque não suportaríamos toda sua potência. Não lembramos do destino a percorrer porque não teria graça alguma saber sobre o que narra o livro antes de escrevê-lo. Não lembramos da vida a seguir porque faz parte da trajetória descobrir os seus segredos e ensinamentos. Viver cura. Mas uma coisa é certa: o destino é tecido no colo da Necessidade. E destino é sofrimento. O protagonista da história nasce de um jeito e, no final do seu caminho, após sofrer alterações, já é outro embora sempre o mesmo. Assim sendo, leitura de uma genitura não é sobre o futuro, mas sim do passado já vivido em outra instância, a ser decifrado, incorporado, dramatizado, através de um corpo e suas circunstâncias sob à batuta do tempo. A escuta da leitura de um mapa é um relembrar, portanto. A tradução de uma genitura é um conectar-se com esta lembrança, um desembaraçar. Quando o tradutor toca os nós das memória da narrativa, conecta o nativo ao seu caminho. Todas as técnicas astrológicas servem para somente ajudar o astrólogo nesta complexa tradução. O mapa astral é um registro mnemônico, em suma. Quanto mais fidedigno (se é que isso é possível) à memória da alma do mundo, pouco o astrólogo atrapalha o errante. Por isso o astrólogo, aos poucos, tende a falar pouco e a imaginar mais. Não há certeza que não seja amansada pela dúvida. Falar é mexer nas teias. Em Astrologia, antes das técnicas, tem as musas. E eu me pergunto: o que faz uma alma desejar ser um astrólogo, um tradutor de histórias terrenas, auxiliando-as ou não a se tornarem pessoa, vida, biografia, corpo e consequência? Quando o fio da vida é cortado, o corpo volta à terra, o sopro aos céus e a alma às entranhas da Barriga. Para entrar mais uma vez na fila.

 

 

 

 

 

 

 

2.

O mundo é texto – prosa a ser lida, relida, percorrida. Astrologia é leitura – código de decifração do discurso do mundo. O mundo é cidade, prosa caótica – fenômenos vindo dos mares sem fim dos sentidos sem-sentido. Astrologia é linguagem de ordenação desta escuta: destino. O mundo é céu, letra e tempo – pele do papel do livro aberto a ser lido, escrito, repercutido. Astrologia é poética do Mundo, o astrólogo seu poeta.

O máximo é ter o céu como livro aberto a ser lido. O mínimo é ler uma página por dia. Os céus são as páginas a serem percorridas em voz alta – marcas de dedos nas bordas do livro do tempo. Roteiros roteiros roteiros roteiros roteiros. O mundo é prosa, drama, oráculo, memória, segredo, cidade. O céu é narrativa dramática – novelas nada-exemplares do humor dos deuses sem deus.

O Mundo é teatro regido pelos caprichos dos deuses. A Astrologia um desmancha prazer – pela analogia revela o que os céus tramam e encenam . A conjunção Marte-Saturno trará corrupção, Vênus-Marte selvagem amor. Não há acaso sob os olhos da rítmica analógica. Só há determinismo onde não há mistério. O céu é ritmo previsível, ciranda, pogo, roda dos deuses.

O passo dos astros tem curso definido, o pulso dos deuses tem rítmica precisa. Até o passo em falso é previsto, a conjunção dissonante faz parte da harmonia. Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio e Lua dançando em torno do mundo – esta fogueira. O mundo é brasa, organismo que respira. Astrologia é a poética expositiva do pulso da vida. O céu é destino rumo a mundo vasto mundo – este corpo.

Astrologia é software de leitura – código que traduz correspondências do tipo “assim na Terra como no Céu”. Tudo, absolutamente tudo, cada coisa que há no mundo, guarda uma correspondência celeste. Agora, nem tudo se vê no Céu encontra-se na face da Terra. Astrologia é uma arte de leitura dramática e investigativa das ruas da cidade. Rastros no Céu, pegadas na Terra.

O primeiro céu é a barriga da mãe. E o fruto lá dentro, dentro da barriga da Terra – relâmpago, raio, trovão. Aí nasce um mundo, dentro do Mundo, dentro de outra barriga. A Fortuna respira com ajuda de pulmões. Depois o tempo passa e o fruto lê indícios do destino no voo dos pássaros. Os céus são as vísceras do pássaro do Mundo.

 

 

 

 

 

TODAS AS LUAS

Algumas notas astrológicas sobre o posicionamento da Lua no mapa de pessoas (Astrologia das Natividades). Lua = humor. Lua = primeiro temperamento. Lua = necessidade primeira e imperiosa. Lua = auto-imagem. Lua = corpo. Lua = o que passa na mente.

 

LUA EM CÂNCER
Pessoas que nascem sob a Lua em Câncer são emotivas, carentes, nutridoras. Dracmas de drama. Possuem boa memória e aguda obstinação. Agarram-se às lembranças como se o último alimento fosse. O mangue da memória é o seu habitat. São discretas, sutis e receptivas. Querem o que querem, sem levantar suspeita. Românticas e vulneráveis, fortes e humanas, caninas. Lambem o passado e a memória do mundo como se fossem suas crias. Empáticas, acolhedoras, imaginativas. Às vezes cão de guarda, outras cão sem dono. Querem e oferecem colo e segurança. Detestam pessoas invasivas, às vezes são invasivas. Não suportam pessoas brutas, ásperas, ríspidas. São bruxas, intuitivas, perceptivas. Por vezes, é tomada pelo o espírito da mãe, por outra, pelo o papel de filha (o). Pai, mãe e filha, avô, avó, tios, sobrinhos, os recônditos do drama da família. Derramam-se em lágrimas de dor e alegria. Habitam as vísceras, as estranhas e familiares entranhas. A vida sem drama não tem graça alguma. É a Lua no seu próprio domicílio. Sentem a falta do paraíso perdido, nostalgia é tão comum como água da chuva.

LUA EM LEÃO
Pessoas que nascem sob a Lua em Leão refletem confiança, generosidade, resplendor. São quentes, otimistas, centralizadoras e o seu pecado é a soberba. Comportam-se como se o mundo girasse em torno de si, afinal, a Lua em Leão encontra-se no signo do Sol e o sol é um farol, puro calor, tudo de bom. O seu brilho é contagiante. Quentes, dramáticas, vaidosas, por vezes Leões ferozes, por outras gatos manhosos, graciosos. Mas sempre protetores, territoriais, soberanos, famintos por vida e por reconhecimento (e aí está sua dor e sua glória). Lua pavão, Lua coração ardente. Amam elogios e aplausos, gente e emoção, “Gente é muito bom”. A vaidade e o orgulho, o luxo e a luxúria, a pureza e a coragem habitam a sua alma felina. Esta Lua é valente, voraz, tem garras e dentes e gigante coração. Lua do alto do verão. Lua que faz com que seus nativos expressem com bravura e/ou suavidade as diversas luzes das suas emoções que mudam de cor como um camaleão. “Gente é pra brilhar, não para morrer de fome”, recomenda.


LUA EM VIRGEM

Pessoas que nascem sob a Lua em Virgem são críticas, analíticas, exigentes. Tímidas, discretas, impacientes. Muito nervosas também. Atentas aos detalhes, aos mínimos detalhes, e à saúde. Sempre prontas para prestar ajuda ou serviço. Ficam nervosas se não tiverem algo para fazer. Apreciam o trabalho e as rotinas. Não ser útil ou prestativo provoca desespero e ansiedade. Organizadas, disciplinadas, apreciam métodos e ritos (o rito organiza o milagre). Lua no signo de Mercúrio, o mensageiro. Inteligentes! São sensíveis às críticas, mas não temem assumir responsabilidades. Possuem um profundo senso de dever. São devotadas a tudo que se dedicam. Se não sabem fazer, aprendem fazendo. São de poucas palavras, palavras certeiras. Não choram, fazem! Afinal, lágrimas servem para quase nada. Exercitam obsessivamente a discriminação e o discernimento. “Menos é mais” é o seu lema, e a vida simples. Dão ouvidos à perfeição – esta musa – enquanto zelam e cultivam a própria companhia.


LUA EM LIBRA

Pessoas com Lua em Libra são simpáticas, gentis e sedutoras. Amam a beleza acima de tudo. E a arte. Acreditam que é impossível ser feliz sozinho e que a beleza é fundamental. Solidão só se for a dois. São encantadoras e, muitas vezes, muito, muito carentes. Indecisas, diplomáticas, polidas. Melancólicas, elegantes, polianas. A Balança do julgamento balança de um lado a outro em busca da justa medida. Receiam ser injustas, há também o medo desesperante de desagradar o outro. Dizer não é um espinho na garganta. Por outro lado, diante do paralisante consenso, colocam lenha na fogueira da polêmica — é o modo que encontraram para contribuir com a evolução. Não há progresso e, muito menos revolução, sem quebrar os pratos da Balança. Harmonia é a síntese de forças antagônicas. Lua no signo da Vênus, na exaltação de Saturno – por isso oscila entre o amor à vida e a melancolia. “A vida é arte do encontro. Embora haja tanto desencontro pela vida.” (Vinicius)


LUA EM ESCORPIÃO

Pessoas com Lua em Escorpião são intensas, dramáticas, passionais. Observadoras, convivem com a constante sensação de espreita. Absorvem, mesmo sem saber, o que acontece em outros planos, por debaixo dos panos. Enxergam o visível e o invisível. Lua em Queda, no território de Marte e, por isso, a vida é entendida como a arte da sobrevivência, e sobrevivência é estratégia. Lua feiticeira, negra, sexy e/ou portadora de faro infalível. Seus nativos costumam cutucar o Escorpião com onça curta. Bruxas, argutas, terríveis, temem e alimentam o perigo. Sempre com o ferrão amado armado, o que deve cansar o emocional de qualquer um e também protegê-los. Acreditam que a vida é prisão e/ou fatal processo de libertação. Misteriosas, silenciosas, manipuladoras, colecionam histórias de paixão, morte e ressurreição. O coração desta Lua transita ora o deserto escaldante, ora o gelo do abandono. Acreditam que o mundo é um berço de peçonha e que o veneno mata ou cura, depende do tamanho da poção. Lua viúva negra, Lua Hitchcock, Lua Zé do Caixão.

 

LUA EM SAGITÁRIO
Pessoas com Lua em Sagitário tem alma de desbravador. Otimistas, visionárias, cavalares. “Um passo à frente e você já não está mais no mesmo lugar”. Com fome caçam os saberes e os sabores, o profano e o sagrado, o espírito e o corpo do mundo. Lua no signo de Júpiter, o pai e o juiz do mundo. Lua no signo que exalta a vida, a verdade e a justiça. O seu berço é a cultura humana, o seu lar é o futuro, o seu passado é a pergunta. Seus nativos são generosos, grandiosos, esperançosos. Vivem para aprender, aprendem para viver. “Vou aprender a ler para ensiná meus camará”. Possuem visão de longo alcance, enxergam longe, velozmente. Arqueiros, miram o que existe e o que não. O alvo é a vida, a liberdade é a mira e o tiro é certeiro. São adeptos da fé e da festa e de gestos nobres. E da filosofia, da busca do espírito das ideias que sustentem o arco da vida. Entusiasmados, entusiasmantes e exageradamente confiantes, aprendem o que querem, mas já nasceram professores. Há os que se sentem professores de Deus. Há os que se acham Deus.

 


LUA EM CAPRICÓRNIO

Pessoas que nascem sob a Lua em Capricórnio pisam sobre a seca, fria e crua realidade. Desconfiadas, ressabiadas, cautelosas, habituam-se a atravessar invernos terríveis – a vida como ela é. E a se preparar. Enamoram a melancolia, o pessimismo e o blues – esta filosofia de vida. Auto-exílio é a sua saída preferida. Lua Madrasta, Lua no seu Exílio. “Para que não o magoem, o melhor é fechar-se num calabouço e engolir a chave”. Tem estômago de bode, sofre de inverno glacial e de febre melancólica. A sua fibra é tecida pelo tempo da cor do chumbo e pela frustração marcial, esta forja do caráter. “Perseverança não é igual a merecimento”. Olhar cínico, humor sátiro, café amargo. Sempre perguntam-se onde foram parar as linhas que separam a humildade da humilhação, a realidade da ilusão, a responsabilidade da obrigação. “O brasileiro não está preparado para ser o maior do mundo em coisa nenhuma. Ser o maior do mundo em qualquer coisa, mesmo em cuspe à distância, implica uma grave, pesada e sufocante responsabilidade”. A velha sábia que habita suas entranhas pergunta pela pimenta.
As primeiras citações acima são da Lua em Capricórnio mais famosa da televisão: Dr. House. A última, é de Nelson Rodrigues, dono da Lua Madrasta de tão boa.


LUA EM AQUÁRIO

Pessoas que nascem sob a Lua em Aquário são gregárias, amigas, companheiras. Esta Lua faz com que seus nativos não meçam esforços para unir todos em torno de uma mesma fogueira. Geralmente são pessoas que cultivam os elos de amizade, mas ao mesmo tempo, amargam um sorrateiro sentimento de não-pertencimento. Alegres, leves, humanas, habitam o alto da montanha, onde está plantado o sonho de ser humano. Lua no domicílio diurno de Saturno, onde o tempo faz festa. Inventivas, joviais, surpreendentes, a fraternidade e a amizade são suas maiores paixões. “ E sei que a poesia está para a prosa/ Assim como o amor está para a amizade / E quem há de negar que esta lhe é superior”. Biruta de aeroporto, apontam o futuro, o progresso, a direção. Avoados, mudam de pensamento conforme o vento. A Lua em Aquário tem asas para voar, mas é assombrada pelo espírito de Prometeu. “A Lua que não curte o mainstream”. No alto do mundo, onde avistam o vale da liberdade, seus nativos respiram o ar frio, puro e rarefeito da solidão. E também da original e generosa amizade que acabaram de inventar para distribuir aos seus.


LUA EM PEIXES

Pessoas que nascem sob a Lua em Peixes são sonhadoras, escapistas, dulcíssimas. Lua no signo da exaltação da Vênus e, por isso, amantes da beleza, do extraordinário e do amor. Desejam se perder no mar da beleza, do amor e do êxtase. São arrebatadas pelo canto da sereia, encantar-se com o outro e com o mundo é uma cena trivial. Decepcionar-se com o outro e com o mundo é uma cena banal. Sacrificar-se, entregar-se, doar-se para algo maior faz parte da sua história. Lua no signo de Júpiter, o que traz o milagre no meio da tempestade. Esponjas do mar e da Terra, seus nativos são compassivos, receptivos, compreensivos. Por causa do sangue frio do Peixes, letárgicas muitas vezes também. E esta Lua chora. Místicos, poetas, ilusionistas, sob esta Lua a realidade é surreal. Sonham com os olhos abertos, fogem com os olhos abertos, mas nadam, mesmo sem saber, ao porto de si mesmo. Nostálgicas, encantadoras, confusas, mágicas. Cortejam a ilusão, o perdão e a perdição. Flexíveis, ilusionistas, bancam a vítima, o salvador e o herói. Lua da Terra do Nunca e da Alice do País das Maravilhas.


LUA EM ÁRIES

Pessoas que nascem sob a Lua em Áries, possuem humor quente, alegre, irritadiço. Não sabem esperar. Sob pressão, reagem assim: http://www.youtube.com/watch?v=4sA1c1WErUk Em tudo, se jogam de cabeça. Humor seco, explosivo e da força de arranque. Inquietos, ágeis, velozes, acreditam no poder do improviso. Independentes, voluntariosas, autônomas e também extremamente competitivas. Esta Lua detesta tiranias, burocracias, qualquer coisa que a prenda. “Tire suas mãos de mim/eu não pertenço a você” (Renato Russo). “Independência ou independência ! – este é o seu lema. Nutrida por espíritos de guerreiros (as), afinal, sempre há um indefeso a proteger, uma donzela a salvar, um escravo a libertar. Também é espontânea, criança, arteira, puro instinto. Seus nativos amam o novo, a coragem e a ousadia. Odeiam floreios, odeiam floreios, ODEIAM floreios. Lua franca, direta, sincera. Sempre pronta para atacar, para correr perigo, para começar. “Quando foi a última vez que fez algo pela primeira vez?”, questiona a cada instante. De repente, a vida irrompe. Áries is not dead.


LUA EM TOURO

Pessoas com Lua em Touro gostam do amor e do prazer. Desfrutar dos sabores todos e do corpo é uma condição desejada e aprazível. Teimosas, conservadoras, ruminantes. Ruminam cem lunações para dar um passo adiante. “Mas quem está com pressa?”, muge. Lua no signo da Vênus, Lua no signo da sua Exaltação. Quase sempre opta por aquilo que é familiar e seguro. Seus nativos prezam a segurança, o conforto, a fortaleza. Às vezes, é tomada por toneladas de preguiça, o que as tornam inertes e contemplativas. Lua Dorival Caymmi, Lua Abelha-Rainha. Por outro lado, sabem esperar e suportar situações adversas (levam carrapatos no lombo) até chegar na “sombra e água fresca”. Lua carro-de-boi, Lua bicho-preguiça, Lua paciente e muito musical também. Seus nativos são provedores, pacientes, doces. Lua que busca desfrutar das coisas boas e simples da vida: cama, mesa e banho. Lua vinho do porto. Lua que nos lembra que todo prazer vem do corpo e de que o prazer não tem pressa mas é urgente.


LUA EM GÊMEOS
Pessoas que nascem sob a Lua em Gêmeos são extremamente curiosas. Um olho no gato, outro no peixe. Também muito dispersas já que seguem as folhas e as borboletas do pensamento. O peixe comeu o gato, xii… Pulam de assunto e interesse como macacos pulam de galho em galho. Lua no signo de Mercúrio, o que tem asas nos pés e na mente. Lua-que-faz-várias-coisas-ao-mesmo-tempo, assovia e chupa cana enquanto responde e-mail. Seus nativos habitam o mundo dos jovens, dos irmãos e adolescentes, por isso, são joviais, dinâmicos e comunicativos. Querem sempre aprender, conhecer, andar por aí. Gosta de jogar conversa fora e de palavras cruzadas, Lua eterna adolescente. Humor alegre, leve e falante. Lua versátil, ânimo multicolor, espírito de negociante. Lua “tímida espalhafatosa”. “Onde queres descanso, sou desejo/ E onde sou só desejo, queres não/ E onde não queres nada, nada falta/ E onde voas bem alto, eu sou o chão”, contradições em forma de gente, de muita gente. Vozes, muitas vozes e muitos interesses falando ao mesmo tempo, de dia, de tarde, de noite, durante e depois do expediente…

___________________________
Domicílio, Exaltação, Exílio, Queda –

Segundo a tradição, um planeta em seu DOMICÍLIO ou trono, é como um rei governando sem oposição ou conselheiros, simplesmente porque não precisa deles para governar. Um planeta na sua EXALTAÇÃO, é como um rei governando com brilho intenso enquanto é hospedado com pompas e circunstâncias em reino aliado, o planeta exaltado escuta seu anfitrião. Planeta em EXÍLIO é um rei encarcerado, amargando a solitária. Um astro em QUEDA, é como um rei no buraco. Há ainda o planeta PEREGRINO, sem lenço nem documento, atravessando o mundo à sua própria sorte.

 

Saturno – domicílio: Capricórnio e Aquário; exílio: Câncer e Leão; exaltação – Libra; queda – Áries
Júpiter – domicílio: Sagitário e Peixes; exílio: Gêmeos e Virgem; exaltação: Câncer; queda: Capricórnio
Marte – domicílio: Áries e Escorpião; exílio: Libra e Touro; exaltação: Capricórnio; queda: Câncer
Sol – domicílio: Leão; exílio: Aquário; exaltação: Áries; queda: Libra
Vênus – domicílio: Touro e Libra; exílio: Escorpião e Áries; exaltação: Peixes; queda: Virgem
Mercúrio – domicílio: Gêmeos e Virgem; exílio: Sagitário e Peixes; exaltação: Virgem; queda: Peixes
Lua – domicílio: câncer; Exílio: Capricórnio; exaltação: Touro; queda: Escorpião

 

 

_______________________________________________

Como ler notas astrológicas? Clique aqui

 

O que é lunação

Astrologia estuda a rítmica do mundo, isto é, ciclos de tempo. Todo ciclo tem início, desenvolvimento, plenitude e assimilação. A Lunação é o nome que se dá ao ciclo Sol-Lua de aproximadamente 30 dias. Na astrologia, o Sol e a Lua são chamados de planetas ou luminares.

A Lua é mais rápida que o Sol. Enquanto o Sol demora 365 dias para completar uma volta no zodíaco, a Lua leva cerca de 30 dias para fazer o mesmo percurso. O Sol é o ponteiro das horas, a Lua a dos minutos. Assim sendo, a Lua, mais rápida, caminha pela estrada do zodíaco e acaba encontrando o Sol num determinado grau e minuto de um dos doze signos. Quando este encontro acontece, dizemos que aconteceu uma conjunção ou um alinhamento. Esta união entre o Sol e Lua acontece toda vez na Lua Nova. A conjunção é celebrada e dá-se o início à Lunação.

Se a Lua Nova, isto é, o início da Lunação acontecer no signo de Libra, dizemos que teve início a Lunação de Libra ou o Ciclo de Libra. Aproximadamente 30 dias depois, o ponteiro da Lua vai encontrar o ponteiro do Sol no signo de Escorpião iniciando a Lunação de Escorpião ou o Tempo do Escorpião. Depois da Lunação de Escorpião virá a de Sagitário, Capricórnio, Aquário, etc, seguindo a ordem dos signos do zodíaco.

O tempo da Lunação, ciclo a que estamos todos submetidos, tem quatro fases:

Lua Nova (início) – é quando a Lua e o Sol se alinham num mesmo grau e minuto de um dos doze signos do zodíaco, iniciando as promessas do ciclo – é a fase da fecundação; a fase Nova vai até a seguinte, a Crescente;

Lua Crescente (desenvolvimento) – a Lua encontra-se 90 graus pra frente do Sol; da fase Crescente até a fase seguinte (Cheia) é o tempo no qual as promessas do ciclo, que teve início na fase anterior, ganham corpo e aparência, forma;

Lua Cheia (plenitude) – a Lua encontra-se a 180 graus do Sol, é a fase da Lua Cheia, é quando a Lua é soberana nos céus e as promessas do ciclo estão maduras, plenas e evidentes; a Lua Cheia vai até à fase seguinte, a Minguante; a partir daqui a Lua perde luz;

Lua Minguante (assimilação) – a Lua encontra-se 270 graus à frente do Sol, é a fase minguante do ciclo, tempo de términos, de assimilação de aprendizado, de recolhimento para a preparação ao novo ciclo que terá início mais à frente quando a Lua novamente alcançar o Sol renovando o ciclo mais uma vez (Lua Nova).

Tradicionalmente também podemos dividir este ciclo em duas fases: a da Lua Nova e da Lua Cheia, gerando dois mapas para análise. Ou, ainda, dividir o ciclo em 3: Lua Nova, Lua Cheia e Lua Minguante, baseando-se apenas no mapa da Lua Nova.

Tempo é ritmo.

O casamento do Sol e da Lua renova-se a cada Lua Nova.