Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás: a gente nasce antes de nascer

RÁDIO SATURNÁLIA 2

A gente se destina antes de nascer

 

Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás, canção de Raul Seixas e Paulo Coelho, é a nossa segunda lição de astrologia.

A canção diz: https://www.youtube.com/watch?v=Y80GfK_mFDw

Um dia, numa rua da cidade/ Eu vi um velhinho sentado na calçada/ Com uma cuia de esmola/ E uma viola na mão /O povo parou para ouvir/ Ele agradeceu as moedas/ E cantou essa música/ Que contava uma história/ Que era mais ou menos assim/Eu nasci/ Há dez mil anos atrás/ E não tem nada nesse mundo/ Que eu não saiba demais /Eu vi Cristo ser crucificado/O amor nascer e ser assassinado/ Eu vi as bruxas pegando fogo/ Pra pagarem seus pecados / Eu vi//Eu vi Moisés/Cruzar o Mar Vermelho/Vi Maomé/ Cair na terra de joelhos/ Eu vi Pedro negar Cristo/ Por três vezes/ Diante do espelho/ Eu vi!//Eu nasci (Eu nasci)/Há dez mil anos atrás/(Eu nasci há 10 mil anos)/ E não tem nada nesse mundo/ Que eu não saiba demais

No dia 28 de junho de 1945, às 9h00, na cidade de Salvador, Bahia, nasceu Raul Santos Seixas, o primeiro filho de Raul Varella Seixas e Maria Eugênia Santos Seixas (corre na Internet o horário das 8h, mas esses dados constam na certidão). Raul morreu com 44 anos no dia 21 de agosto de 1989, por volta das 5h, em São Paulo, capital (dados da certidão de óbito, mas creio que a morte ocorreu por volta das 4h). Como legado, Raul nos deixou mais de 250 canções, 3 filhos e uma legião de fãs.

Mapa Astral do Raul Seixas

Raul é tido como o pai do rock brasileiro, conhecido no Brasil inteiro por suas canções esotéricas e por ter vestido a persona pública do profeta. E diria mais: o maluco beleza foi o primeiro punk místico da história da música brasileira, já que a irreverência, a rebeldia, o deboche e a ironia melancólicas compunham tanto a sua imagem de rock star quanto a de mago libertário anarquista. Somente um punk genuíno faria um disco chamado “Eu não sou hippie” no auge da cultura woodstock. Vale lembrar também que, em 1971, junto com Sergio Sampaio, gravou um dos discos mais impressionantes da MPB: Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10, um disco inclassificável, onde já se notava sua veia teatral satírica e a mistura de rock com baião. Conheça o disco aqui: https://www.youtube.com/watch?v=fZr0kSD4bIo&t=592s

O ‘não-hippie’ Raulzito nasceu com Ascendente em Leão, Sol, Mercúrio, Saturno e Caput Draconis em Cancer, Júpiter em Virgo, Marte e Vênus em Touro, Lua em Aquário e a Fortuna em Peixes.

O Sol, regente da 1, significador do nativo e seu corpo, está na 12, Casa das Aflições e de Todos os Cárceres do Mundo, de todas as clínicas de reabilitação, inclusive a Clínica Tobias do nosso canceriano sem lar:

“Estou sentado em minha cama/ Tomando meu café pra fumar/Estou sentado em minha cama/ Tomando meu café pra fumar/ É, é, porém, mas, todavia eu sou um canceriano sem lar/ Eu tomo café pra mim não chorar/ Pergunto à nuvem preta quando o sol vai brilhar?/
Estou deitado em minha vida e o soro que me induz a lutar/Estou na clínica Tobias tão longe do aconchego do lar” – Canceriano Sem Lar (Clínica Tobias Blues)

O Sol, significador do nativo está muito próximo a Saturno, O Senhor das Lágrimas. Saturno exilado por Cancer (essencialidade), mas jubilado pela 12 (acidentalidade). Isso quer dizer quer dizer que o sentimento de orfandade e solidão comum a Saturno, agravada por estar no signo onde amarga o seu exílio, Cancer, rejubila-se na Clínica Tobias dos Céus, casa 12. A orfandade, a loucura e outras aflições da alma fazem festa com Saturno na casa que o recebe com alegria. É estranho, mas é isso.

Vale dizer que todo planeta sempre se faz notar de acordo com a sua condição celeste, independente que a casa seja lugar de júbilo ou não. Caranguejo, por exemplo, veste o velho Saturno com a sua natureza. É sempre o signo que veste o planeta com seus atributos e destinações. Saturno em Cancer, então, só poderia resultar na imagem que abre a canção, a de um velhinho sentado na calçada com uma lua na mão.

Eu nasci há 10 mil anos atrás é uma das canções mais conhecidas da parceria Raul Seixas e Paulo Coelho. É a última faixa do disco Há 10 mil anos atrás gravado entre maio e novembro de 1976, isto é, com Júpiter em Touro e Saturno em Cancer e lançado em dezembro do mesmo ano, já com Saturno em Leão. Raul estava com 30-31 anos. É o álbum-fruto do Retorno de Saturno do Raul, o disco canceriano do início ao fim. Para não se ter dúvida, repare nos títulos de algumas das canções do álbum: Canto para minha morte, Ave Maria da Rua, Quando Você Crescer, O Dia da Saudade, Eu Também Vou Reclamar, Cantiga de Ninar…. E a imagem que melhor representa Sol-Saturno no Caranguejo é exatamente a da capa do álbum que o Raul fez questão que fosse essa:


Repare na capa iluminada, como a indicar o Sol muito próximo de Saturno, sob os seus raios.

A canção que dá nome ao álbum foi inspirada por outra, I Was Born About Ten Thousand Years Ago, canção de domínio público (olha aí a Lua de novo) adaptada pelo capricorniano Elvis Presley, um dos pais musicais de Raul Seixas (o outro era Luiz Gonzaga, o rei do Baião). Comparando as letras das canções, enquanto na adaptação de Presley as imagens orbitam o imaginário cristão, na versão de Raul e Paulo há menções a outras crenças como a umbanda, judaísmo e zoroastrismo, isto é, ao caldeirão místico que sempre foi o Brasil.

Além de conter uma das canções mais conhecidas de sua obra, quando do lançamento do álbum, Júpiter transitava a 10 do artista, a das honras públicas, e é nesse disco que Raul volta a afirmar sua imagem de profeta místico, um tanto abandonada no álbum anterior, Novo Aeon, que foi um fracasso retumbante. Júpiter, o significador de profetas, é o Almuten Figurae do artista, dispositor do Sol e regente, por exaltação, da 12. Mas antes de contar essa história, precisamos voltar a alguns dias antes do seu nascimento, isto é, à Lua Cheia que o trouxe ao mundo, ao SAN e é aqui que está a nossa lição principal: a gente nasce antes de nascer.

SAN é uma sigla que significa: sizígia antes do nascimento. Sizígia é um termo da astronomia para designar o alinhamento de três corpos celestes, por exemplo, Lua, Sol e a Terra. Em astrologia, refere-se à Lua Nova ou Lua Cheia antes do nascimento. Quer dizer, o evento celeste prenatal que anuncia a chegada do rebento e suas destinações. Atenção: esse é o primeiro mapa a se desenhar ao estudar Astrologia das Natividades ou qualquer outra prática astrológica, eu diria. O cálculo do SAN faz parte dos fundamentos e rudimentos da Astrologia antiga.

Ninguém nasce sem destino. A gente nasce dentro de um ciclo de destinações da alma do mundo. E o ciclo primário do tempo é a Lua Nova ou a Lua Cheia antes do nascimento.

E a sizígia que precede o nascimento do Raul é uma Lua Cheia em Capricórnio, a 3 graus e 39, no signo que dá trono a Saturno e exalta Marte, isto é, os chamados maléficos. Saturno encontra-se exilado, em Cancer. Saturno é o planeta mais angular e é recebido por exaltação no signo que ascende na Lua Cheia, Libra. Marte, por sua vez, encontra-se exilado no signo que exalta a Lua e empodera Vênus. Marte-Vênus em Touro na casa 8, a da morte e ocultismo, que vão subir depois na 10 do mapa natal do Raul. “Talvez a morte seja o segredo dessa vida”, canta Raul em Canto para minha morte, a primeira canção do álbum. Importante: uma Lua Cheia que acontece próximo aos nodos lunares, o lugar dos eclipses, isto é, o do apagar das luzes.

O Ascendente é Libra signo que exalta Saturno. A Lua encontra-se exilada  (Capricórnio) na Casa 4, a do Pai e ancestralidade. Eu nasci, há 10 mil anos atrás. Saturno, regente de Capricórnio, em exílio no signo da Lua, Cancer. Lua no signo de Saturno, Saturno no signo da Lua – a isso damos o nome de mútua recepção, essa espécie de circuito anímico que se auto alimenta, como um cachorro que corre atrás do próprio rabo. Esse circuito também vai acontecer no mapa natal, já que a Lua também se encontra num signo de Saturno. Só que com uma diferença: a Lua não faz aspecto com o seu regente o que piora a orfandade.

Discute-se se existe recepção com planetas em detrimento e/ou sem aspecto. Em outra ocasião falamos disso. Mas é certo que quando um planeta X é disposto pelo planeta Y e este pelo planeta X, confere ao nativo um círculo eterno, um núcleo dramático anímico. Se os planetas estão em alguma de suas dignidades (domicílio, exaltação, triplicidade, termo, face), um círculo virtuoso. Se com planetas em suas debilidades (exílio, queda, peregrinação), um círculo vicioso. A mútua disposição é um palíndromo. Vale notar que o nome do nativo é o mesmo do pai e que Raul é Luar, lido de trás pra frente. E quando juntamos Raul Luar, temos o palíndromo raulluar raulluar raulluar que parece a onomatopéia de um lobo uivando pra lua.

Na Astrologia Tradicional, o uso do SAN é entendido como um dos pontos hylegíacos, isto é, um dos pontos vitais do mapa a ser dirigido. Os outros pontos vitais são Sol, Lua, Ascendente, Fortuna e MC. Os pontos vitais estão cheios de luz. E o que se dirige é a luz.

Mas o que proponho aqui então é resgatar a ideia de ver o mapa do SAN como imagem de fundo das destinações do nativo. Estamos à procura da imagem da alma do nativo, para poder cantá-la da melhor maneira. À procura da imagem da alma do mundo que baixa aqui aos poucos ao ganharmos um corpo. A Sizígia Antes do Nascimento, a Lua Nova ou Lua Cheia prenatal, é o berço do nascimento, a imagem mais ao fundo e imperiosa de um rebento.

Neste SAN do Raul, além da problemática Lua/Saturno, Lua na Casa das dramaturgias ligadas ao Pai e ancestralidade, há uma informação que nunca pode escapar: o que se levanta no horizonte.

Algorab é a delta da constelação do Corvo, está alinhada a 12 e 41 de Libra. Algorab, a do bico curvo, segundo Ptolomeu, é uma estrela de Marte e Saturno (ó aí eles novamente!). Essa estrela destina função profética e, por consequência, o papel do Arauto. Raul anunciou o novo aeon. Inclusive lançou um disco chamado Profecias.

A função da profecia estar essencialmente ligado ao Sol, O-Que-Tudo-Vê, e, só por isso, podemos dizer que o Corvo também o serve. E aí voltamos ao Sol, regente da casa 1 do nativo, num signo da Lua, que vê o futuro por conhecer o passado.

Em síntese, a Lua Cheia prenatal aponta a Lua na Casa 4, a da ancestralidade e passado, destacando assim Saturno no signo da Lua, o que nasceu há 10 mil anos atrás. O evento acontece perto dos Nodos, lugar do eclipse das luzes, pre-anunciando uma natividade sujeita a apagões no transcorrer da vida. O Ascendente em Libra e seu regente domiciliado na Casa 8, a dos legados e da morte, localiza o ocultismo. A presença mais uma vez de Saturno, porque o signo ascendente o exalta. E, por fim, o Corvo ascendente, a grande mosca Marte-Saturno do mundo que pousaria na sopa da música popular brasileira, ascendente no horizonte da Bahia três dias antes do Raulzito nascer.

Conclusão: o mapa da Lua Cheia e/ou Lua Nova prenatal é mapa obrigatório para o estudo do destino de quem quer que seja.

Quando, por direção, o Ascendente natal chegou no grau 13 de Libra, próximo ao Corvo prenatal, e o MC chegou ao grau da Cabeça do Dragão, Raul Seixas bateu asas para o mundo que o trouxe aqui. Hoje, se tivesse vivo, Raul Santos Seixas estaria com 10075 anos.

 

João Acuio

05/08/2020

11h39

Curitiba

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *